segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Fui à Feira e vi o (meu) futuro


5 jogos na Liga, 5 vitórias.
Entrada na fase de grupos da Champions, após vitória grande em Bucareste.
Um plantel melhor (onde havia Marvin, há Coentrão; onde havia Semedo, há Mathieu; onde havia Castaignos, há Doumbia; onde havia Markovic, há Iuri Medeiros; onde havia Schelotto, já não há Schelotto).
Patrício, Coates, William, Bruno Fernandes, Gelson, Acuña e Dost.
Um treinador excepcional, que trabalha a equipa há 2 anos.
Um apoio brutal da massa associativa.

Tudo boas razões para querer escrever sobre o Sporting e estar confiante.
Então porquê não me apetece falar sobre o que vejo no nosso jogo, e sinto que estamos perto de vacilar?

Porque existe a realidade. E a realidade começa a demonstrar (uma vez mais) que, apesar de tudo de bom que este plantel tem, do contexto positivo que todos tentam construir à sua volta, existe o Ego. E o Ego é fodido e tende a estragar tudo. É ele quem não permite perceber que, por vezes, tomamos as decisões erradas. É quem nos tira a lucidez e nos coloca à frente e acima do que é, realmente, importante.

Os últimos 2 jogos do Sporting na Liga roubaram anos de vida aos seus adeptos. No banco, um treinador demonstrou como não se deve mexer na equipa. Em Sta Maria da Feira, para tirar um jogador, mudou 3 posições. E, tal como no Estoril, voltou a oferecer mais de 60m ao jogador errado (aliás, todo ele é um erro do futebol moderno).
O Sporting venceu porque, face aos últimos anos, tem tido duas coisas que, raramente combinam: Talento (individual) e Sorte (muita sorte).

Não consigo perceber como é jogamos tão devagar, de forma previsível e com tão pouca gente no processo ofensivo. Não entendo como é que, num canto, sofremos um golo na pequena-área, com o PL adversário a ser marcado pelo B. Fernandes. Custa-me aceitar que, a ganhar a 10m do fim, um canto nosso dê origem a um contra-ataque e ao golo do empate. 
E isto não de hoje, é crónico. Já vi e sei qual é o fim.

Podemos ter o melhor treinador (continuo a acreditar que sim), um plantel muito forte (que é), e um suporte, sem igual, de uns adeptos tão grandes como o clube que amam. Sim, temos isso tudo. Mas, se no fim, não aprendemos nada com os nossos, repetidos, erros (e obsessões), então desculpem, mas não vamos lá (novamente).

Nem tudo tem de ser assim tão difícil e tão cheio de sofrimento.

(porra, fiquei mesmo lixado com o nosso jogo na sexta-feira; pode ser que passe já amanhã)

11 comentários:

RMSCP disse...

"(...) onde havia Schelotto, já não há Schelotto)."

Tantas saudades que ele deixa...

Eu acho que temos um 11 melhor que o ano passado. A nível de plantel não acho que seja muito diferente. Talvez tenhamos um melhor avançado no banco mas pouco mais que isso.

Fizemos uma primeira parte horrível. Dou mérito ao Feirense por conseguir pressionar muito agressivamente a saída de bola mas o Sporting não pode ser anulado tão facilmente por uma equipa destas.

O Alan Ruiz esteve tão mal que conseguiu a proeza de entrar e sair no mesmo jogo. Dúvido que alguma vez venha a render naquela posição. É um jogador que demora algum tempo a executar (quase que parece uma eternidade) e tem dificuldades em conseguir jogar em espaços curtos. Para mim, aquele lugar é do Podence.


"O Sporting venceu porque, face aos últimos anos, tem tido duas coisas que, raramente combinam: Talento (individual) e Sorte (muita sorte)."

Concordo a 100%. Mas se continuarmos a depender da sorte, mais tarde ou mais cedo (e no Sporting é bem mais cedo...) ela nos vai falhar.

Cumps

Anónimo disse...

Sempre as vozes da desgraça, bolas, é que ja irrita, é esta mentalidade de que no proximo é que perdemos ou que o abismo esta perto que nos tem conduzido onde estamos. Homem, seja optimista, pense positivo e vai ver que jogao faremos amanha. Aqui estarei 4a para lho dizer. Nao me esqueço do titulo que fizeram aqui na 1a mao do playoff. Isso diz muito deste tipo de sportinguistas...

Cantinho do Morais disse...

RMSCP,

o 11 é melhor, embora Adrien seja muito melhor que Battaglia. Depois, há B. Fernandes que tem de ser o nosso 3º médio.
Mas também há Iuri e Doumbia. Podia existir Geraldes e não existir M. Oliveira. E, hoje, sabemos que B. César não tem de ser titular. Também é um upgrade.
A 1ª parte foi horrível. Valeu Patrício e a falta de pontaria do Feirense. A equipa ficou sem meio com a saída de Piccini. Dito assim, parece estranho, mas foi o que se passou.
O Podence já desapareceu. De titular a lesionado (?). Agora, nem convocado é. Esperemos que esteja lesionado.

Este não é o clube que ganha com Sorte. Isso acontece no outro lado da 2ª circular. E, mesmo aí, é uma sorte cara e trabalhosa, muitas vezes suportada por missas e rezas.

SL

Cantinho do Morais disse...

"Isso diz muito deste tipo de sportinguistas..."

Anónimo,

não será o 1º a vir aqui dar lições de sportinguismo. Perde o seu tempo.

"é esta mentalidade de que no proximo é que perdemos ou que o abismo esta perto que nos tem conduzido onde estamos."

Não, não é. Por enquanto, não são os adeptos que jogam, treinam, contratam, dispensam, vendem ou dão entrevistas à CS que nos quer ver na merda. No dia que isso acontecer, pode apontar-nos responsabilidade.

Até 4ª!

Marco Correia disse...

É preciso que haja vozes discordantes para colocar em causa o optimismo reinante de quem só olha a estatísticas.

Nos últimos três jogos temos três vitórias suadas e saborosas. O próprio jogo na Roménia esteve tremido no final da primeira e no início da segunda parte em que tremeram as pernas à equipa. Dos últimos dois jogos nem é preciso falar...

Sobre o Alan Ruiz, nem sei mais o que diga. Doumbia, Iuri no banco neste jogo, Podence em geral será sempre o dono do lugar, mas estava lesionado portanto dou de barato, Geraldes a rodar e o próprio Bryan Ruiz encostado.
Para isto? Não há pachorra. Não faz uma recepção pressionado, não dá sequência um lance e, como se não bastasse, está com um excesso de peso que é óbvio para quem quiser ver. Já que falamos em egos, gerir o destes jogadores depois de vê-lo ser opção à frente deles não deve ser nada fácil.
É que se nós percebemos que ele é inútil, imaginem quem está do lado de dentro.

Neste último jogo, o Acuña também me pareceu de rastos. Acredito que o Jesus devia estar à espera de ter o jogo tranquilo para o poder tirar, mas a lesão do Piccini furou o plano. Mas sendo assim, quando será o Iuri opção, só na taça da liga?

Temos tudo para melhorar, especialmente agora com o William, e é impressionante a qualidade de jogo quando William e Bruno Fernandes jogam lado a lado, mas é imperativo que se deixe de lado esta teimosia de escalar jogadores só porque sim. Tem é de se querer que isso aconteça.

fullrise disse...

"E, tal como no Estoril, voltou a oferecer mais de 60m ao jogador errado"

Faz umas tabelhinhas e desmarcações jeitosas, sim. Tem um forte remate, sim. Mas isso não chega. Não chega para um equipa de meio da tabela, muito menos para quem quer atacar o título. As dinâmicas que JJ impõe no meio campo (a defender e a atacar) não ligam com as características de rapaz. Não ligam, ponto! Arrisco-me a dizer que toda a equipa já percebeu que algo de estranho se passa, pois é quase como se deixassem de jogar sempre que este rapaz está em campo.
Está à mais de um ano a treinar com JJ. A adaptar-se. E porra, ainda tem de sair aos 60m??? A estranha insistência num jogador, numa posição, onde já se percebeu que não vai dar nada. Não nos façam de parvos.

Sorte. Claro que a sorte não é para nós. Nunca foi. Dois jogos resolvidos nos instantes finais, e outro a tremer até ao fim. Claro que isto não dura muito mais.

SL

Pedro O. disse...

sei que falar daquilo que já não existe, é algo inócuo e que não nos leva a caminho algum, mas temo muito que a saída do Adrien seja um brutal rombo no potencial da equipa que se quer para atacar a época.
Não é uma "lamechice", é olhar para o plantel e não descortinar qualquer opção que não comprometa a qualidade do futebol da equipa. Bataglia (a escolha para a substituição directa de Adrien) consegue pisar os mesmos terrenos, tem vontade e compromisso, o problema é que jogar ali implica uma serie de valências que ele não tem, mesmo que custe admitir, não consegue ligar os sectores da equipa, não tem o critério, não tem a capacidade de definir e agarrar a equipa. Dou de borla, que nunca vi Matheus Oliveira a jogar ali pelo nosso Clube, como tal, não teço comentário algum. O único que me parece ter atributos para jogar a "8", com a qualidade que se exige é Bruno Fernandes (em potencial), mas Bruno a "8" implica ficarmos "descalços" do eternamente procurado 2º avançado que te faz de 3º médio quando defendes e te dá soluções de ataque e definição quando estás a atacar, e teriamos de ver o Alan a andar por ali.
Em suma, quero estar completamente enganado, mas a saída do Adrien parece-me um rombo enorme no potencial da equipa, com um impacto no colectivo que talvez a ausência de nenhum outro jogador provocaria, considerando a forma como o plantel está estruturado.

Anónimo disse...

- sou apreciador das características do Alan Ruiz mas reconheço que não tem lugar nem no banco. Não me espantaria que JJ tivesse comissão pelo AR (e já agora pelo Piccini)
- acredito que o adrien não vai deixar saudades, estava desde a época passada em quebra de rendimento e deve ter alguma lesão crônica... vai passar metade da época (depois de janeiro) no estaleiro;
- ou muito me engano ou podence não é a aposta certa para jogar ao lado do Bas Dost. Vejo-o mais a jogar encostado à linha;
- não se entende como o Jj não coloca o André Pinto de início quando tem o mathieu adoentado é um jogo fundamental na 3a feira;

SL e boa sorte para amanhã

JG disse...

Podemos teorizar sobre os jogadores, as posições em que jogam, e aquelas em que deviam jogar, mas - devemos falar sempre, mas sobretudo nestas alturas em que do ponto de vista quantitativo está tudo a correr tão bem - se não falarmos do treinador e nas suas opções absurdas, não perceberemos nada do que nos poderá acontecer. Ora, como se sabe, quando não percebemos o que nos acontece não somos capazes de corrigir as suas razões.
Quando o Feirense empatou lembrei-me do jogo do ano passado em Guimarães em que além do erro crasso do árbitro no terceiro golo de Soares, existiu uma incapacidade para segurar uma vantagem de 3 golos. Dei por mim a pensar que tinhamos acabado de esturricar dois pontos.
Jorge Jesus foi jogar à Feira com uma equipa cheia de "jets-legs", de jogadores com febre, com outros presos por arames e logo que teve uma oportunidade lançou no jogo um jogador que para a maioria - para todos descontando JJ e os seus acólitos nas redes sociais - dos sportinguistas equivale a jogar com menos um, Alain Ruiz de seu nome. Para fazer essa brilhante opção deslocou Battaglia para a lateral direita e fragilizou o centro do campo que jogava pela primeira vez sem Adrien e com o regressado William, . Foi dessa opção que se aproveitou Nuno Manta, o excelente treinador do Feirense, para equilibrar o jogo, pese embora a desproporção dos meios.
Quando se apanhou a ganhar por dois a zero, fruto do talento dos jogadores, particularmente de Gelson e Bruno Fernandes, não foi capaz de mexer na equipa e de a reequilibrar, permitindo dessa forma ao Feirense voltar ao jogo e empatar.
Fez então entrar Iuri e Doumbia em desespero. Iuri em dez minutos fez mais do que alguns outros durante todo o jogo. Volta para o banco no próximo jogo a menos que algum dos outros "indiscutíveis" de JJ parta uma perna.
JJ não é capaz de rentabilizar o plantel que tem à sua disposição. Da mesma forma que despreza os jogadores da formação, compra vários jogadores, com o alibi das alternativas, para depois apostar sempre nos mesmos, até à exaustão. Vejam o caso de Brian Ruiz que se arrastou pelos relvados em parte da época e que JJ não foi capaz de poupar, quando tinha Geraldes e Gauld no banco ou na bancada. Depois de um momento para o outro, porta fora e haja quem lhe pague o salário.

Vitória a àguia disse...

Só li merda....

E continuam a falar de JJ e da formação como se ele não apostasse nos jogadores, enfim....de Cantinho do Morais este espaço deveria ter o nome de Canto do Gil Vicente, tanto é o escárnio e mal dizer

Cantinho do Morais disse...

Também me parece que JJ tem recorrido, pouco, ao vasto plantel que construiu (mais um). Interrogo-me se o mesmo não ficaria mais forte com Geraldes e Gauld, assim como um 3º defesa-central de valor seguro (não podendo ser o Semedo, P.Oliveira não sendo espectacular, servia para descansar Mathieu e Coates).
Com a lesão (inevitável) de Coentrão, a utilização de Acuna e Doumbia pela Argentina e C. Marfim, e a chegada tardia de Coates, não podendo mudar tudo, podia ter mudado mais.
A mexida com a lesão de Piccini foi desastrosa.
Aos 60m, com 2-0 no bolso, como bem dizem, tinha de equilibrar a equipa. Mas até os 18 convocados estavam mal escolhidos. No banco, não havia um trinco (Palhinha ou Petrovic). Era um desses que devia ter entrado (e nunca Ruiz), ou quando estava 2-0. Mas tendo no banco Ruiz, Oliveira, Iuri e B. César, faltava quem fechasse o meio-campo.

Como disse, preocupa-me o Ego e teimosias. Vamos ver...

SL