terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Pai (desculpa), não leias isto




Lembro-me do dia em que fomos apresentados oficialmente. Tinha cerca de 4 anos e fui à tua casa visitar-te. Havia uma festa em homenagem a um ex-jogador teu. Não posso precisar mas sei que houve um jogo entre uma equipa júnior tua e uma outra do teu eterno rival. 

É óbvio que eu já sabia quem tu eras. O meu pai e os meus tios já me tinham falado de ti. Nessa altura o meu quarto já tinha reservado um espaço na parede para ti. Junto com os pósteres da saudosa equipa do Liverpool dos finais da década 70 e inícios de 80, lá estavas tu, encabeçado por Manuel Fernandes, Vítor Damas, Meszaros, Jordão, Carlos Xavier, Virgílio, Oliveira, entre outros, sempre prontos a dizer-me boa noite, e a proteger-me para uma mais noite de sono tranquilo e feliz.


A minha relação contigo era bonita. Acreditava que eras Grande e Único. Toda a tua História era-me contada, de forma pormenorizada e sempre com grande orgulho (a singularidade de uma Taça das Taças; o feito único de 4 campeonatos seguidos; o record de golos de Yazalde). Precisava de saber tudo para me começar a defender na escola, contra o Benfica de um, outrora, Eusébio e que, nesse tempo ia fazendo algo que tu tinhas deixado de fazer há 3 anos, vencer campeonatos. O meu pai contava-me tudo. Mas mesmo tudo. O que era bom e, também, o que era mau.  Enquanto eu ficava maravilhado com as acrobacias de um tal Futre, ele contava-me a sua história. O seu surgimento na 1ª equipa, o pretenso empréstimo à Académica e a fuga para o Porto. 


Um dia voltei à tua casa. Promessa de Pai e Mãe. “Vamos comer à Toca do Leão [creio que era assim o nome do restaurante em baixo da Bancada Central] e ver o Museu!”. Lá fui, todo contente. Lembro-me de ver as taças dos campeonatos de futebol, as taças do hóquei e do atletismo (“mais ninguém tem”, dizia o meu pai, orgulhoso), as vitórias de Joaquim Agostinho e, com destaque, o pequenino troféu que simbolizava a Taça das Taças, a do célebre Cantinho do Morais.

O Museu localizava-se junto à antiga sala de reuniões da Direcção. Na parede, haviam retratos de todos os teus presidentes (estávamos no tempo de Amado Freitas). Ao ver a foto de João Rocha virei-me para o meu pai e perguntei: “Foi este que mandou embora o Futre?”. O meu pai diz que o funcionário que nos acompanhava ficou branco. E, ainda hoje, ao falar deste episódio, recorda-o como o dia em Alvalade abanou, perante a minha inocência e audácia.

À saída, o melhor estava para vir. Junto dos carros do ciclismo que eu admirava, aparecem vindos de um treino dois capitães, Vítor Damas e Manuel Fernandes. Duas fotos obrigatórias, sendo que uma delas foi ao colo do grande “Manelito”. Estava nas nuvens… Lembro-me de ficar admirado a ver o meu pai a falar com eles (a pedir se dava para tirar foto) e pensar que ele os conhecia!!


A partir desse dia, se dúvidas houvesse, fazias parte de mim, da minha vida. 


Comecei a ir ao estádio ver-te. Lembro-me das primeiras lágrimas que verti por ti. Aqueles 0-5 na Luz… que dor… (recuperei essas lágrimas em Salzburgo, muitos anos mais tarde). Lembro-me dos 7-1 (fui eu quem avisou o meu pai de tal fenómeno). Lembro-me de gravar o jogo que deu, numa repetição à noite, narrado pelo Rui Tovar. As vezes que revi essa cassete. Como posso esquecer essa tarde? Tinha 6 anos de idade.

Lembro-me de, meses depois, desiludires-me no Jamor. De nada valeu o golo do Marlon. Vi esse jogo sozinho, em casa, enquanto o meu pai estava, ao vivo, a ver-te perder.


Lembro-me da 1ª vez que te vi, ao vivo, perder. Senti um vazio enorme. Até então, ao vivo eram só vitórias!! Foi numa eliminatória da Taça de Portugal, contra o Marítimo. Douglas marca um golão mas falha um penalty e o Carlos Manuel dá uma “casa” tão grande que nos leva à derrota. Lembro-me que nada daquilo fazia sentido.


Estive ao pé de ti quando foste às meias-finais da UEFA, no início da década de 90. Estive lá sempre! Na chuva com o Malines, no penalty falhado do Litos, no golo do Cadete. E na 2ª mão? Como me posso esquecer? O relato na cozinha… O chapéu do Cadete, o manguito do Marinho Peres e a sua camisola negra. Timisoara, Vitesse, Bolonha e Inter, sempre lá, a viver, ao vivo, contigo, o sonho (desfeito nos pés do Oceano e num árbitro manhoso em Milão).


Lembro-me dos anos passarem e tu sem ganhares nada. Começava a ser difícil defender-te na escola, mas não me vergava. Acreditava em ti. O teu lema era o meu: Esforço, Dedicação, Devoção e Glória.


Fui a jantares de Stromp com o meu pai e mãe. Ia à Nave antes e depois dos jogos. Coleccionava cadernetas e sabia todos aqueles que faziam parte de ti. Defendia os teus mesmo quando não jogavam por ti. Torcia pela Jugoslávia porque jogava lá o Ivkovic, era da Bulgária porque estava lá o Iordanov e o Balakov (e aquele desmancha-prazeres do Kostadinov…).

Onde houvesse algo teu, imediatamente acolhia-o como sendo meu.


Estive lá no primeiro título após o jejum. Jamor, contra o Marítimo. Na tarde de glória do Iordanov e na despedida do Figo, Peixe e Balakov. Já antes, tinha lá estado com o Porto, num 0-0 de um 10 de Junho, onde a água acabou e partilhei barras de gelo com os companheiros do lado. Meses antes desse jogo, tinha estado ao teu lado no dilúvio dos 3-6. Levei o meu cachecol e o do meu pai (não foi ver o jogo). Lembro-me que nesse dia o nervosismo era enorme. Será que ia ver-te, finalmente, vencer? Tinha chegado a minha vez de entrar, triunfante, na escola perante os meus colegas benfiquistas e portistas? A desilusão foi maior e só, a meio da noite, é que as lágrimas (de raiva) se soltaram.


Vi-te na noite em que foste maior que o Real Madrid. Mas já antes tinha-te visto a seres gozado por uns gafanhotos suíços. Mas também fiz parte daquela noite em que vergámos o Celtic num Alvalade sobrelotado. 


Estive lá no golo do Afonso Martins que derrotou o Porto de nos devolveu ao Jamor. Na bancada Norte, junto aos dragões que, orgulhosamente, mandava “ir andar de Metro” (que bairrismo infantil). Meses depois via rebentar, a poucos metros de mim, um very-light que nos tornou mais pobres e sem sentido nenhum. Porquê? Não consigo entender.


Vi-te, finalmente, ser Campeão. Alegria maior julgava não poder assistir. Revivi-a dois anos depois e, a partir daí, até hoje, foi voltar aos primeiros 18 anos da nossa relação.


Tentei acompanhar-te sempre. Fazes parte de mim, não há como fugir. No estrangeiro, longe de Lisboa, tentei sempre saber de ti. Nos telefonemas para casa, a primeira preocupação era saber como estavas. Assisti a jogos fora, vi-te na internet e procuro, constantemente, todas as notícias para saber como estás. 


Os últimos 10 anos foram muito difíceis. Os mais difíceis. Embora sempre presente desde que tens uma casa nova, foi a partir daí que se tornou mais complicado proteger-te. As derrotas consecutivas (sendo a mais dolorosa aquela contra o CSKA – eu estive lá), a forma como te vejo (mal) representado, a inexistência de rumo, a ausência de qualidade técnica nos treinadores que escolheste, a falência do ecletismo (não há basquetebol, não há voleibol, és banal em hóquei, em andebol e, até no atletismo estás a perder a liderança) e a forma como vejo que enfrentas o Futuro são o espelho da tua imagem. Estás a morrer mas não dás conta.

Mas, desta vez, não quero ir contigo. 

Questiono-me se valeu a pena estar contigo já há quase 30 anos. Privei-me de conhecimento para estar contigo. Privei-me de muito dinheiro para te ver. Quantas foram as vezes que não convivi com pessoas (realmente) importantes da minha vida, porque te coloquei em primeiro lugar? Quantas discussões tive para te defender? Quantas vezes modificaste o meu humor (para pior), que depois se viria a reflectir no bem-estar de outros, sem culpa? Quantas horas de sono perdi? Quanto chuva, frio e calor apanhei para não te deixar só? Quantos filmes ou livros não li? Quanto tempo de estudo abdiquei? Não sei contabilizar, mas foi muito.


E para quê? O que é que me deste em troca nestes 30 anos? 2 Campeonatos, 4 Taças e 6 Supertaças!! Algumas vitórias em derbys? Algumas vitórias em jornadas europeias? Medalhas Olímpicas (aqui ainda não há como tu)? Sempre que me davas algo tiravas logo a seguir a dobrar! Por cada Campeonato ganho desfazias-te logo de metade da equipa!


Hoje vejo-te a ser gozado e humilhado por todos. Vem de fora e de dentro de ti. Desde órgãos directivos do futebol nacional (FPF, APAF, LIGA), a adversários, a órgãos de Comunicação Social e pessoas que, supostamente, te representam (dirigentes, comentadores e ex-jogadores ou ex-dirigentes). Todos te pisam. E, agora, até já têm pena de ti e quando se dirigem a ti, já te tratam como um “coitadinho”.


Caminhas para um Fim triste. Jamais serás o mesmo. Estás constantemente a dar tiros no pé. Até pode ser que um dia, por breves momentos, voltes a andar de cabeça erguida, mas será por pouco tempo. Não tens base para te manter em pé, direito.


Custa-me dizer isto, mas a verdade é que, também eu, já estou farto, cansado. Revejo tudo o que vivemos e já não consigo acreditar que fiz o correcto ao ter-te escolhido (e pensava que sim – mas se não fosses tu, também não era mais ninguém!).



Se pudesse mudar só um dia da nossa história em comum, mudava o primeiro dia. Queria não te ter conhecido. Tudo aquilo que sofri e vivi por ti, afinal, foi em vão. Queria não ter tido essa desilusão.


E se me dessem um único desejo, digo-te, com algum egoísmo, que gostava que desaparecesses, para sempre.


Até um dia.

33 comentários:

B Cool disse...

Sou Benfiquista e fico desiludido ao ler um post destes. Não vou dar lições de apego ao clube, pois só cada um sabe de si.
Deixo-te um conselho, dá um tempo, põe as coisas em perspectiva, verás que essa acidez que te faz dizer que mais valia não teres conhecido atenuar-se-á.

P.O disse...

Não é o unico a sentir-se assim, para mim já acabou faz tempo, sofro mas já nao acompanho a equipa, a ideia que tenho deste scp é tao má que já nem fui ver a ultima final da taça, como voçe já nao tenho idade para ser enganado e já nao me iludo com conversas de melhores tempos o scp não está muribundo, já morreu mesmo.

MM disse...

P. O.

Os teus sentimentos têm pouco a ver com os da mensagem que leste. Tive um colega na escola que foi sportinguista e depois foi benfiquista. Assim sem mais. Clubes grandes em Lisboa existem só dois. Tu és desses. Não digo que és de algum outro clube, mas não tens discurso de quem gosta do Sporting.
O Sporting não morreu coisa alguma e a facilidade com que o dizes é assustadora.

Cantinho, dizer o quê não é?
Deixar-te um abraço sabedor que daqui a 4 dias as nuvens já passaram. O teu 'hoje', aquilo que sentes esgotou-se ontem, e todas as coisas que dizes no «post» são vestígios de um sentimento forte e negativo. Naturalmente: tens razão para estar decepcionado. Temos todos.

Mas as coisas mudam porque nada é igual para sempre. Independentemente das responsabilidades que atribuas a A, B, ou C pelo que sentes, sejam esses quem forem, bons, maus, azarados, assim-assim ou seja lá o que for daqui a meia dúzia de anos já serão outros nos seus lugares e pelo meio tantos outros que entrarão e sairão. O Sporting no fim disse tudo estará lá como sempre esteve, e a verdadeira dose de clube não é vinculável a pessoas.

Cantinho do Morais disse...

MM,

o mal que todo o universo leonino tem feito ao Sporting (desde há 10 anos para cá) fará com esses "daqui a meia dúzia de anos" que falas não existam.
A auto-destruição (que não nasceu desta derrota, desta época ou desta direcção) que tem sido levada a cabo é (quase) impossível de recuperar. E cada dia que passa é mais um dia perdido.

VeRMeLHoVZKy disse...

Amigo/Rival,
Nunca desistas. O Sporting faz falta ao desporto nacional. Infelizmente hoje pagam pela má gestão de mais de 20 anos.
Mas são vcs que devem refundar o Sporting Clube de Portugal, tal como estão a fazer os adeptos do Rangers.
O vosso passado, a memória das vossas lendas e o trabalho de tantat gente, não podem ser desprezadas.
É um momento díficil das vossas vidas. Mas o Sporting é vosso e não dos incompetentes que o afundaram.
Forte abraço,
V.
P.S.: o meu falecido pai era Sportinguista. Sei que estaria tão triste como tu, neste momento.

Sílvio disse...

O meu avô era um Sportinguista dos 7 costados. Em 1982 tentou, a troco de 100 contos, fazer-me ser Sportinguista. Era uma fortuna, só superada pelo seu amor pelo clube.
Li tudo, e fiquei triste. Por ele, pelo desporto em geral, pelo futebol em particular e por ser verdade.
É pena.

ana disse...

É bom que o teu pai não leia isto. Iria ficar muito desapontado.

Anónimo disse...

É com um aperto no coração que leio este post.
Quando dou por mim a não saber (e a nem querer saber) qual o dia e a hora que o Sporting joga, algo vai muito mal...
Tenho 35 anos e com 15 ia de comboio+autocarro de Sintra a Lisboa para ver o Sporting. Fizesse chuva fizesse sol.
Hoje mantenho a minha presença assídua em Alvalade, mas começo a achar que este será o meu último ano em Alvalade...
Estamos em rumo, sem mapa, sem GPS. Vamos caminhando porque o instinto nos impele a não parar... mas sabemos que o fim se aproxima.
Talvez seja melhor acabar com o sofrimento, tal como se faz com um cavalo ferido de morte.
Há 3 cenários em cima da mesa, e em qq um deles esta direção não deve continuar:

1-um arabe ou um russo qq compra o clubre...
2-fechamos portas e refundamos o clube do zero...
3-aparece um nome suficientemente agregador para unir os sportinguistas e falar a uma única vós

Tenho poucas esperanças...

SL

Anónimo disse...

Como diria Mark Twain: As notícias acerca da minha morte são maifestamente exageradas. Ou como diria Churchil: never give up, never, never. Devemos colocar sempre a Esperança á frente do desespero. É essa a essência da humanidade. Esta elite corrupta,decadente e incompetente que nos ultimos quinze se instalou no clube está prestes a ser apeada por uma juventude que ama demais esta paixão que arrasta milhões. O manifesto para marcar uma AG para demitir esta direcção já tem as assinaturas necessárias. Somos muito grandes e temos uma pele muito rija e uma resiliência que resistirá a tudo. Viva o Sporting Clube de Portugal que irá cumprir o propósito com que foi criado. Tornar-se um grande entre os maiores da Europa.

Anónimo disse...

Amigão: Este foi o teu melhor texto até hoje. Infelizmente, pelas piores razões... Sou sportinguista por tua causa e, sobretudo, por causa do teu pai... Esperemos que melhores dias tragam o Sporting Clube de Portugal à sua grandeza perdida... Grande abraço, JR

ZeroZero disse...

A catárse que o autor faz, parece trazer um grande benefício para a sua vida: passar a ser feliz pelas suas conquistas pessoais (passando por exemplo mais tempo consigo e com as pessoas que o apreciam) e não pelas conquistas de onze profissionais de desporto vestidos com uma camisola de determinada cor.

Os portugueses (e não só) viverão ao nível dos nórdicos, quando fenómenos como o futebol passarem a ter cá, a expressão que têm lá.

É só um desporto, por amor da santa.

rodrigo.bernardo disse...

Grande,

Como Sabes estive contigo em grande parte dessa tua caminhada, perdi contigo muitas horas de estudo para nos deslocarmos ao velho e saudoso Alvalade, acompanhei-te vezes sem conta quando éramos gozados pelos outros, perdi a conta da quantidade de jogos do Sporting que vi ao teu lado e ao teu lado sempre senti o jogo de uma maneira especial, aguenta só mais um pouco que eu aguento contigo my friend mas não me faças chorar.....Enquanto o Sporting Existir....

Pedro Ribeiro disse...

sou sócio do Benfica, estive ontem em Alvalade e participei na humilhação que sofreram.
Deixa-me contar-te uma coisa sobre o teu e sobre o meu clube. O Sporting, no pior momento da sua história, consegue ter assistências em casa ao nível das do Benfica, um clube que supostamente tem o maior nº de associados do Mundo e que, mesmo assim, com 250mil sócios, não consegue ter a Luz cheia em todos os jogos do campeonato. Os adeptos do Benfica e do Sporting são adeptos das vitórias, a história destes clubes é enorme, é a história do desporto em Portugal, o Porto, quer queira quer não, é um clube que tem o seu passado manchado pela corrupção e que nunca dignificou a competição da forma saudável que Benfica e Sporting sempre fizeram, exceptuando alguns momentos entre claques, que nada têm a ver com os clubes em si e seus verdadeiros associados - lembro-me sempre do vídeo do Humberto e do Manuel Fernandes no inicio de um derby na década de 70 a trocar galhardetes e a desejarem o melhor a cada um antes do jogo começar, de uma forma honrada e sincera. O Sporting, no dia em que deixar de ter os bons adeptos como tu do seu lado, deixa de fazer sentido enquanto clube, passa a ser só mais um clube em Portugal, coisa que não merece, nem que sofra todas as humilhações do mundo ao longo duma época ou duma década. Não abandones o teu clube. Na vida há espaço para tudo: futebol, amores, família, trabalho, estudo. O dia tem 24 horas e tu és uma pessoa inteligente. Não abandones, não abandonem o Sporting, o Sporting é o único rival que o meu clube, o Sport Lisboa e Benfica tem, único clube que me dá prazer e vontade de defrontar e o Benfica só é grande porque o Sporting também é. Um ajudou o outro a crescer.
Saudações Benfiquistas e melhor sorte para o futuro.

aquasor disse...

Nunca deixes de gostar do teu clube pois melhores dias virão. Sou benfiquista de alma e coração e nunca desisti dele mesmo quando estivemos na mó de baixo. Força! Vais ver que na 2ª volta vcs melhoram :) e viva o Benfica!!! :)

Rui Coelho disse...

Vou dar-te o desconto de, ao que parece, teres escrito isso às três da manhã, depois de mais uma de tantas desilusões. Presumo que hoje estejas parcialmente arrependido deste texto, amanhã já nem reconheças o derrotado que o assina e no próximo jogo, tal como eu, voltes a estar na superior sul, como presumo que tenhas estado ontem.

Não reajas a quente e ganha coragem para o que aí vem, também depende de ti, da tua força, mudar esta merda. Digo-te que nunca trocaria a alegria que me dão as poucas vitórias do Sporting pelas mais frequentes de outros clubes.

Espero que o meu pai leia isto.

Anónimo disse...

Deixar aqui um enorme abraço a todos mas em particular ao Pedro Ribeiro, que nas suas sábias palavras mostrou o que é ser um homem.
Obrigado pela força!!!
Força SPORTING

Anónimo disse...

Deixar o Sporting? Esquecer?
Enfim, isso são ideias que não deviam passar na cabeça de nunhum sportinguista...
Sporting Sempre

Cantinho do Morais disse...

Rodrigo e JR,

A viagem ao Mundo Sporting que aqui retrato (e havia muito mais para contar) também é, em parte, a vossa. Em muitas dessas "batalhas" vocês também estiveram lá. Obrigado e um grande abraço.

Vermelhovzky,

agradeço as palavras mas a solução "Rangers" é algo impensável.

ZeroZero,

Compreendo e aceito a racionalidade do teu discurso contra a irracionalidade do meu. Mas sou adepto/sócio, e Razão (relativamente à forma como lidamos com o desporto e/ou clube) é algo que não está nesse ADN.

Pedro Ribeiro,

Obrigado pelas palavras. Mas, para mim, o Sporting já é só mais um clube em Portugal. Quantos adeptos angaria por ano? Que respeito/"medo" é os adversários apresentam? Quantos jogadores é quererão lá jogar (nem os que lá estão...)?
E por se tornar "mais um" entre muitos é que deixou de ser especial e único.

Rui,

Obrigado pelo "desconto" mas não estou arrependido. Embora a hora tardia da escrita, o mesmo já estava delineado há muito tempo na minha cabeça. Não foi a derrota que o fez sair. Podia ter sido escrito há 3 meses que continuava, para mim, actual e a fazer sentido.
Não reaji a quente, isto é o resultado de quase 30 anos de dedicação ao clube (e de muita Superior Sul, onde estive na 2ª feira).

P.O disse...

Caro MM,
Não quero saber dos teus colegas de escola, e vou-te dizer que não sou de Lisboa, não quero saber, nem me interessa quantos clubes gandes há em Lisboa. Quanto a amigos que eram do scp e que mudaram de clube acho que hoje em dia todos temos e não vejo é ninguem a mudar para o scp.
Tu não és ninguem para dizer se gosto ou não do scp; na vida temos de desistir de coisas de que gostamos, e se desisti de seguir o scp foi com custo, mas nao voltarei atraz pois não vejo forma deste clube me dar as alegrias que mereço. Estive 18 anos sem ser campeão, sem ganhar mas o orgulho de ser Sportinguista esteve sempre cá, segui esse SCP sempre que pude e mesmo nas derrotas tinha orgulho no clube, agora podemos nos orgulhar do que? Apenas do passado e eu não sou pessoa de ver o canal historia.
O SCP que me orgulhava morreu, não vejo neste clube o que via no passado e por isso o SCP morreu agora existe apenas uma imitação barata (made in China) de um clube quem nem o seu lema respeita.
Não duvido do seu Sportiguismo e até pode duvidar do meu, mas me compares com amigos teus muito menos os que não têm caracter.

MM disse...

P. O.

Assim sim, gosto. Abracos.

José Duarte disse...

Vou deixar aqui um texto do blog leoninamente, contendo as palavras do ex-jornalista dedicado à área de investigação desportiva que trabalhou no Sporting, na altura de Dias da Cunha:

""Estou triste com o que está a acontecer com o Sporting. Trabalhei 6 anos no clube de Alvalade com o sentido de ajudar a limpar e abrir novos caminhos. Foi o período mais vitorioso dos últimos 20 anos. Não tenho de me queixar porque fui pago para isso. Mas se o Sporting quiser encontrar o seu caminho, a primeira coisa que tem a fazer, é libertar-se da aliança e espiões que tem a Norte. Que lhe sirva de exemplo o que aconteceu ao Salgueiros e Boavista quando optaram pela mesma aliança.

Vou dizer-vos uma coisa, uma só, porque não posso ir mais além. Quando Dias da Cunha teve conhecimento de que o clube era um centro de negócios para alguns, alguns ilustres sportinguistas, fizeram tudo, mas mesmo tudo, para que ele se demitisse. Mostrei-lhe provas de como os meus relatórios, pagos pelo clube, iam parar às mãos de Pinto da Costa e Valentim Loureiro e havia apenas 4 pessoas que tinham acesso a eles. Arranjei provas de como eram negociados alguns jogadores com graves prejuízos para o Sporting e o envolvimento que havia entre dirigentes sportinguistas e presidentes de clubes do Norte. Eu, com ajuda preciosa de um grande sportinguista que trabalhava no clube, arranjamos provas de como dirigentes do clube, nos bastidores com a ajuda de elementos da juve arquitectavam a derrota para criarem mau ambiente ao presidente e ao treinador. Sabem o que fizeram? elegeram os traidores e os negociantes e voltaram a eleger e a eleger os mesmos traidores. Chegaram mesmo ao ponto de contratarem um elemento ligado à claque para agredir um elemento que estava comigo nas investigações. Tenho todos os meus relatórios e juro-vos que se um dia eles fossem publicados dariam o livro mais polémico da história do futebol.

Tenho lido com atenção todos os comentários e só me ocorre uma coisa: isto não é um problema do Sporting é um problema do povo português. No futebol como na política ninguém se mostra atento com quem nos prejudica e quando confrontados com um novo problema voltam a errar e a apostar em quem os traiu. A bandeira eleitoral de Godinho Lopes, foi Carlos Freitas, um negociante de jogadores que nem sportinguista é. Um elemento que já foi despedido do Sporting por 4 ou 5 vezes e sempre em situações pouco claras. Pois os sportinguistas voltaram a apostar nele e voltaram a despedi-lo. Querem o quê afinal?!..."

Marinho Neves na sua página do Facebook em 13.12.2012: https://www.facebook.com/marinho.neves

Lembram-se do "Golpe de Estádio"?!... Marinho Neves foi o seu autor. Ainda acredito que um dia publicará o "Golpe de Estádio II", como em tempos as suas palavras deixaram perceber. Sou seu fã e amigo no Facebook e ontem apreciei a sua frontalidade, coragem e desassombro.
O grande Zeca Afonso cantou: "O que faz falta é avisar a malta!..."

Leoninamente,
Até à próxima"

http://leoninamente.blogspot.pt/2012/12/nao-vai-de-outro-jeito-entao-so-bomba.html

Para quem leu isto, agora eu pergunto: juntando estas palavras (que não são novidade para quem anda atento) àquilo que todos nós vemos que acontece no nosso clube e ao estado a que o Sporting chegou, o que será preciso mais para que os sócios e adeptos abram os olhos de vez ?

Está na altura de uma limpeza séria no Sporting!
Eu vou estar na luta!
E espero que todos os Sportinguistas não desistam, nesta altura que é seriamente importante para o nosso clube, talvez a mais decisiva!

SL

Rui P. Coelho disse...

Consegue dizer o que tantos sentimos... hoje mais uma desilusão. Mas tenho a certeza que não desistirá como não desistirá nenhum de nós. É difícil ver o Sporting Clube de Portugal atravessar o pior momento da sua história. A nossa geração é posterior aos melhores anos da vida do nosso Clube. Mas somos Sporting, seremos sempre O Sporting... "o nosso grande Amor". O momento actual abala a nossa fé mas esta força tão grande jamais deixará morrer o Clube que sempre trazemos no coração. Acorda Sporting!

Cantinho do Morais disse...

"O momento actual abala a nossa fé mas esta força tão grande jamais deixará morrer o Clube..."

Rui Coelho,
tenho dúvidas, meu caro, muitas dúvidas que o clube não se vá com esta onda negativa (que não começou nesta época).

MasterGroove disse...

Desejos de um bom ano, Cantinho.

Abraço

Luis Moreira disse...

É preciso acreditar:http://bandalargablogue.blogs.sapo.pt/107792.html

Luis Moreira disse...

É preciso acreditar :http://bandalargablogue.blogs.sapo.pt/107792.html

Márcio Augusto R. Guerra disse...

Cantinho, não sei se te ainda lembras de mim, do Bimbosfera, mas é para mandar um abraço. As palavras foram muito fortes, mas o que faz falta ao clube são adeptos como tu. Quantos mais como tu morrerem, mais morre o Sporting. Sei que és do Sporting, sabes que sou do Benfica, mas nunca vi aqui, por assim dizer, grandes desaforos ao Benfica, e vi uma correcta adequação (como no post anterior) do verdadeiro culpado da situação. O problema foi muitos adeptos terem perdido a noção, ou não mudarem a noção... Apenas se viram para nós. No momento em que todos, e a cada dia são mais, vejam que isto não é só culpa do Benfica, e sim de outras cores, que desvirtuaram o nosso futebol nestes 30 anos...

Enfim. Hoje, com certeza, com as futuras eleições, mesmo desconfiado, certamente haverá aí um pouco mais de esperança... Que assim seja!

Grande abraço

Márcio Guerra

Anónimo disse...

Estes homens não conseguem entender o Sporting. O Sporting tem de caminhar com os humildes, para aprender a ser humilde, Porque quando aprender a ser humilde, será grande de novo.

O Sporting não é só vitórias, nunca foi.

O Sporting é Esforço, Dedicação, Devoção e Glória.

O Sporting vendeu-se a quem não dignifica o clube. Pague as consequências de tal.

Mas não há problema, na sombra, alguém trará o Sporting de volta, serão os que nunca jamais virarão a cara ao seu clube. No melhor e no pior.

Abraço.

Anónimo disse...

Nota-se pelos comentários de alguns lampiões que este melancia que escreve não sabe o que é amor..Ponham os olhos no Newcastle que nada ganha e tem a maior torcida de Inglaterra

Anónimo disse...

Amigo Cantinho do Morais, sou sócio sportinguista, até morrer. Amo o Sporting. A vida tem altos e baixos e temos que a viver. Tenho um primo, mais velho que é ferrenho do Belenenses e com ele fui receber os jogadores do Belém que tinham subido de divisão. Tomei a liberdade de lhe mostrar o seu post, quando ele o estava a ler e chegou à parte onde diz que em 30 anos o Sporting só lhe tinha dado" 2 Campeonatos, 4 Taças e 6 Supertaças e algumas medalhas Olímpicas" abriu a boca de espanto. Como vê é uma questão de perspectiva. Peço-lhe que mantenha e se possível reforce o seu sportinguismo, pois é quando o Clube mais precisa é que nós devemos ajudar! Saudações Leoninas.

Cantinho do Morais disse...

Amigo Anonimo (o último desta lista),

Obrigado pelas suas palavras. Um grande abraço para si e para o seu primo. Tenho uma grande ligação ao Belenenses, devido à forte presença na minha de vida de pessoas ligadas a esse clube. Acompanho a vida do clube e é com grande alegria que o vejo, de forma digna e, espero, consolidada, de regresso ao palco que é seu, o da 1ª Divisão.

O Sporting está sempre comigo e eu com ele, a forma de o demonstrar é que mudou (e muito!). Não há nada a fazer, queria largar mas não consigo.
Um grande abraço

Anónimo disse...




Pelo que li, tens idade para ser meu filho...

Já estou velho...

Juro-te que te estou a escrever com lágrimas nos olhos.

A emoção que me fazes sentir é fortíssima.

Mas estou feliz por me recordares esses momentos que vivi no estrangeiro.

Um grande OBRIGADO.

JC disse...

"E se me dessem um único desejo, digo-te, com algum egoísmo, que gostava que desaparecesses, para sempre."

Porque é que não mudas de clube?
Tens vários à escolha, e podes optar por um que não te faça sofrer e que ganhe com frequência, habitualmente com ajudas externas.

Agora desejares que desapareça o clube que supostamente é o teu clube de coração, é como desejar a morte a algum familiar que está doente.

Adeptos assim? Não obrigado.