domingo, 18 de agosto de 2013

Dia de S. Receber


O Sporting começou hoje a pagar (com juros), aos seus sócios e adeptos, a má temporada que ainda há 3 meses disputava.

Alvalade e as suas gentes (e hoje foram tantas que até me pareceram mais de 30 mil) já mereciam uma tarde assim: vitória; golos; futebol; alegria; (muita) esperança num futuro que se quer risonho, verde, digno e longínquo.

Numa tarde quente de Agosto o Sporting apresentou-se ainda com muitos vestígios do Passado. Lento, previsível, sempre longe do portador da bola e apático na forma como defendia e atacava. O alarme chegou, num golo do Auroca que Amaro já tantas vezes repetiu contra as nossas camisolas.

Alvalade rugiu. Na bancada mas, acima de tudo, no relvado.
Outros falarão da vitória, da forma como foi construída, da beleza dos seus golos e do compromisso que todos os atletas tiveram com o jogo (sim, até tu Magrão, que só saíste quando o jogo virou).

De momento, para mim, importa destacar um conjunto enorme de jogadores e uma massa adepta fiel e sempre inovadora (o novo cântico, embora não goste que se pense ou se coloque a hipótese do Sporting acabar [eu sei que eles dizem que "não vai acabar", mas só dizerem isso é porque se admite essa possibilidade], é brutal e, ao vivo, arrepia braços e pernas - muito bem!

E, por fim, não sabem como sabe bem ter um treinador que através dos treinos e do seu conhecimento, não tem qualquer problema de colocar o Rinaudo e o Capel (excelente entrada) no banco. É reconfortante saber que, naquele banco, existe alguém que sabe do seu ofício.

Destaques (pessoais):
- ambiente muito bom; Tudo aquilo tem de sentir no relvado.
- excelente meio-campo que sabe dar um 1º toque numa bola. Aquele 1º toque que pode definir ou eliminar a jogada. Lembrei-me tanto do Pereirinha e como seria fácil, para ele, jogar com alguém ao seu nível; excelente Adrien, muito bem William e André;
- William; tem problemas defensivos; 1ª e 2ª bola sempre difícil de apanhar, mas tem uma coisa que me enche: a sua recepção é sempre a pensar em colocar-se de frente para o jogo. E isso, há muito que não se via em Alvalade;
- bem Maurício, Jefferson e Cédric;
- Excelente Wilson (não é só "tesão de mijo", pois não?) Faz falta um jogador assim. Um outro avançado que marque golos. Está motivado e sabe da importância deste momento para si;
- Montero e Patrício. Sim, em pé de igualdade. Foram gigantes na sua função. Tê-los connosco é simplesmente maravilhoso.
- Carrilo. Parado, lento, alienado, cansado. Tem futebol a mais naqueles pés. Aproveita o Jardim, pois parece que ele te conhece bem.
- Rojo e Magrão. Se um é mau (Rojo) o outro ainda procura encontrar-se. Hoje não deu.

Venha Coimbra e venha mais um dia em que se abata um pouco mais passivo que têm com todos nós.

5 comentários:

diogosr1 disse...

Concordo com tudo! Também me custa a ver o Rojo a titular quando outros, aparentemente, oferecem maior segurança e qualidade, nomeadamente o Eric...

De resto, grande tarde de futebol.

Também acho que os primeiros minutos mais parecia um TBC do ano passado, mas houve clique sim senhor. Temos treinador, temos equipa competiviva, temos cerca de 50% das escolas na equipa principal, só não temos nomes sonantes, mas acredito que estes miudos serão craques e estarão na ribalta do futebol em breve. Ah, não gosto do Magrão e também não gosto do Weldon. não percebo as suas contratações, mas tudo bem.
Mais importante ainda, temos estrategia! Veremos se dará frutos...

Cantinho do Morais disse...

diogosr1,

O importante é ganhar. Não me interprete mal, pois não o digo como um "desde que se ganhe, está tudo bem e quero lá saber se eles jogam bem".
Não é isso.
Mas vencer, neste momento, é que pode trazer tudo aquilo que se pretende: menos pressão; confiança; tempo para crescer; crédito junto dos sócios, adversários e mercado; descentralização das temáticas que podem "minar" e desestabilizar o clube (ganhando, ninguém falará de Pranjic, Bojinov, Labyad, Bruma, investidores que não existem, etc); ajuda a legitimar as decisões directivas e técnicas;

O clube tem passado por muito. A descrença passou pelos adeptos mas, também, para os jogadores. Quando se vê o Adrien a jogar, percebe-se que tudo aquilo que se disse e escreveu sobre ele, na época passada, estava errado. E não se iluda, jogadores como Elias, Pranjic, Jeffren são muito melhores do que aquilo que se viu na época passada. Mas o contexto vitorioso nunca existiu e isso fragiliza qualquer um.

A equipa não tem craques mas sabe a responsabilidade que tem. E isso é muito importante.
As dificuldades estarão para chegar.
É lutar e acreditar (com eles).

Koba disse...

Cantinho, muito boa análise, concordo com quase tudo, apenas duas notas de discordância:

- no Carrillo, onde entendi o jogo que fez como uma evolução muito positiva face ao excesso de individualismo do ano anterior;

- no Capel, onde entendo que manteve um pouco o registo de procurar sucessivamente a linha. Os felizes cruzamentos em que assistiu para golo entendi-os precisamente dessa forma: felizes. Em 90% dos cruzamentos que vai fazer daquele género, em especial o 1º, os lances serão provavelmente anulados com facilidade. O 4º golo do Sporting é muito consentido pelos centrais e GR do Arouca (este último em particular, face à velocidade e trajetória da bola, tinha obrigação de sair e recolher a bola facilmente).

Um abraço e SL

Cantinho do Morais disse...

Koba,

obrigado.

vi primeiro o teu post do que o teu comentário aqui no blog, daí (também) a ter respondido lá.
parece que ando mais tempo na casa dos outros do que na minha.

abraço

FCS disse...

Mais uma prestação :)