domingo, 29 de janeiro de 2017

Seguros por Dost


Pensamento do dia:
Que Dost nunca se lesione ou seja castigado.


Após o 1º golo do Sporting e perante a facilidade com entrávamos no último terço do Paços de Ferreira, um amigo meu ao meu lado dizia: "Agora é marcar o 6º golo, para podermos descansar e gerir William, Adrien e Bruno César".
Sim, não me enganei (nem ele), escrevi mesmo o 6º golo. Já todos percebemos que marcar 3 golos pode não chegar para o Sporting vencer um jogo. Foi assim contra o Vitória de Guimarães, foi assim no Funchal contra o Marítimo, e ia sendo assim contra o Paços, uma das equipas mais fracas desta Liga.

O Sporting é uma equipa doente. Está viciada em sofrimento, dor e depressão. Vive um conflito enorme. Luta para sair disso, mas sabe que é esse o seu modo de vida, a razão porque ainda se mantém vivo. Mas não é saudável. E pode colapsar a qualquer momento. Não há corpo que resista a tamanha dependência nociva. A cada duas semanas, tem cerca de 40 mil apoiantes que o tentam ajudar a sair desta longa crise. Mas nem assim...

O jogo começou muito bem. A equipa jogava rápido, circulava a bola e tinha jogadores com muita técnica no 11. A presença de Alan Ruiz foi importante. Embora só jogue 45m (e fora de casa nem isso), é dos poucos que pensa. Talvez pressionado pela rapidez que o atraiçoou na Madeira, levando a que, de forma "admissível", lhe fosse negado um golo, Ruiz é um pouco lento a agir. Decide no tempo certo mas age, muitas vezes, no tempo errado. Ainda assim, deu muitas bolas de golo, o que é raro com o nosso futebol.
Gelson (que golo) e Dost foram os outros leões que se evidenciaram. É neles que reside a nossa esperança em criar e marcar golos.
Dost é aquele tipo de ponta de lança e coloca uma equipa no topo. O problema é que a nossa defesa (ou processo defensivo), é daquelas que nos tira pontos (e campeonatos). Com Dost e a defender bem, venceríamos muitas vezes pela margem mínima. E isso não teria qualquer mal.

Defender é, claramente, um problema. Mesmo a ganhar e mesmo jogando em casa, são sucessivas as jogadas que sofremos em contra-ataque (com superioridade numérica do adversário), e consentimos sempre golos. As bolas paradas são como penaltis contra nós. É fácil prever que, no próximo sábado, perante Marcano, Filipe e Danilo vamos sofrer.
Pois é, vamos ao Dragão. E foi no preciso momento que esse jogo (e a preocupação que o mesmo gera) ficou nas nossas cabeças, que a equipa, ontem, começou a jogar mal (e tinha feito 44m tão bons...). Aconteceu aos 45m, quando William levou o 5º amarelo.
Não critico o amarelo. Mas não consigo entender como, minutos antes, B. César é varrido e não é amarelo para o jogador do Paços, como B.Ruiz é agarrado e não é amarelo e muitas outras situações em que não houve amarelo e que em nada se comparam com o amarelo a William. Critérios... 
Todos sabíamos que isto ia acontecer. Aliás, os jogadores do Paços (também) iam com esse propósito. Era vê-los a abdicar de jogadas perigosas a seu favor para sacar uma falta, a atirarem-se para cima de Adrien em bolas dividas, simulando faltas perigosas, etc. Enfim, parecia que também jogavam com o Sporting na próxima jornada.
Mas neste caso tenho de criticar Jorge Jesus. Não consigo entender porquê que William não fez por levar o 5º amarelo no Funchal. Não entendo mesmo. 

Há pouco mais a dizer do nosso futebol. Adrien e William estão completamente esgotados. Ver Adrien a correr é penoso. Ver B. Ruiz a fazer um passe é penoso. Ver Paulo Oliveira e [este] Semedo é penoso. Uma nota para Oliveira: muito voluntarioso, mas estar no Sporting tem de ser mais que isso; 3º central, não pode aspirar a mais.
E, por fim, há Schelotto. Já sei, assistiu Dost no 2-0 e encarou a bancada como se fosse o Cantona. E então? Aquilo não é nada. Um jogador que só vê linha lateral, que só joga com um pé e que tem uma confiança inabalável em si, que o leva a perder bolas de forma estúpida e perigosa, não é algo que precisamos. Esgaio já foi afastado e vamos levar com esta amostra até ao fim. Incrível.

No próximo sábado há um jogo entre duas equipas perdidas e que jogam pouco. Vamos ver se entregamos já a Liga ao SLB ou se passamos a jogar para o 4º lugar. É só isso que está em jogo.

Se fosse eu a mandar, seria este o meu 11:
Patrício
Esgaio; Coates; Semedo; B. César
Palhinha
Geraldes; Adrien
Gelson; Podence
Dost

6 comentários:

jorgen80 disse...

Lembro-me do Riquicho na seleção sub 19 e 20 ao lado de André Silva, Gelson, Rafa Soares etc. Fazia-me lembrar o Abidal no Barcelona porque não sendo um portento de técnica, era muito certinho a defender, e ofensivamente sabia ler os momentos certos para subir no terreno de jogo e dar largura de jogo. Um autêntico relógio suíço. Sei que teve uma lesão complicada, mas nunca mais ouvi falar nele, estando ele apto desde Novembro.
Sendo Esgaio uma mentira de lateral e Schelotto um jogador mediano, não sei se não merecia uma oportunidade.

Patrício: Não o considero um grande redes, mas é o que há
Jonathan Silva(Impressionava com Marco Silva); Coates e Tobias Figueiredo ou Paulo Oliveira(Fisicamente falta-lhe algo, mas não me esqueço das exibições imaculadas nas seleções jovens. Autêntico líder que merecia mais oportunidades e continuidade, tendo em conta as exibições da outra mentira neste Sporting, que é Semedo); Riquicho se estiver bem fisicamente.

Palhinha: Há poucos como William na Europa, e provavelmente sairá no final da época. Não o conheço bem, mas é o que há.
Geraldes: Jovem craque, que será o sucessor óbvio do Adrien.

Gelson
Bryan Ruy: Precisa de um concorrente forte, que o possa fazer descansar devido Às inúmeras viagens longas que faz todos os anos em prol da seleção.

Podence: Giovinco PT.
Bas Dost.



Mesmo nesta época, este onze, com William e Adrien-deverão sair no final da época-, teria dado melhor conta do recado. Para o ano, tem que ser uma certeza. A seleção e o Futebol PT, agradecem.

RMSCP disse...

Foi um jogo à semelhança do jogo com o Feirense. Com espaço para sair, até conseguimos fazer umas coisas engraçadas mas quando somos minimamente pressionados abanamos por todo o lado. O Paços entrou mal no jogo, sempre à espera de ver no que ia dar. Quando perceberam que ia dar em goleada decidiram arriscar e pressionar (mesmo que mal) no último terço. E foram ofertas atrás de ofertas.

Continuamos com os mesmos problemas de sempre. Para além da falta de ideias ofensivamente (a não ser quando Alan está inspirado), raramente conseguimos criar situações de perigo que não envolvam ir à linha cruzar. A equipa procura mais desequilibrar individualmente (onde tem menos qualidade) do que através de combinações.

Defensivamente, somos patéticos. Raramente tentamos controlar a bola depois de a recuperar. Basta um mínimo de pressão e desatam a mandar charutos para onde estão virados. Rui Patrício e Paulo Oliveira são bastante fracos neste aspecto. Schelotto, então, nem vale a pena comentar. É o palhaço-mestre. Sou capaz de soltar umas gargalhadas com ele mas dói-me tanto vê-lo a jogar no Sporting... Ainda por cima, agora vai jogar até ao final da época (porque o Esgaio já deixou de contar pelos vistos). Pelo menos os adeptos parecem gostar dele. Corre muito e faz carrinhos em esforço, é o suficiente.

O meu onze para o Dragão:
Rui Patrício
Esgaio Coates Semedo B.César
Adrien
Geraldes
Gélson Podence Dost Bryan

Cumps

Cantinho do Morais disse...

JG,

"A equipa procura mais desequilibrar individualmente (onde tem menos qualidade) do que através de combinações."
Tantas vezes o Gelson e Ruiz foram sozinhos para um canto do campo, sem qualquer apoio. Isto na 2ª parte foram vezes sem conta.

"Sou capaz de soltar umas gargalhadas com ele mas dói-me tanto vê-lo a jogar no Sporting..."
Se não é para chorar, que seja para rir. É um nabo. Livrou-se do Miguel Lopes e veio um igual. Não se compreende.

"Pelo menos os adeptos parecem gostar dele. Corre muito e faz carrinhos em esforço, é o suficiente."
Também pensava que sim. Mas olha que ontem em Alvalade ouvi muita gente (até fiquei espantado) a criticá-lo e a afirmar o óbvio: não joga nada!

Quanto ao teu 11, só concordaria se o Adrien tivesse a 100%. Não estando, acho que o meio-campo deve ser reforçado.

SL

RMSCP disse...

Cantinho,

"Tantas vezes o Gelson e Ruiz foram sozinhos para um canto do campo, sem qualquer apoio. Isto na 2ª parte foram vezes sem conta."

Pois, tem sido esse o nosso problema principal a nível ofensivo. Extremos isolados do resto da equipa. Se o Gélson ainda consegue desequilibrar através da finta e da velocidade, Bryan nunca foi esse tipo de jogador e não é agora que vai ser.


Eu não vejo que o problema do Adrien seja físico. À semelhança do resto da equipa, acho que é um problema de confiança. Não acho que seja necessário mudarmos o sistema. Com Podence creio que ganhávamos mais na 1ª linha de pressão, para além de todas as outras qualidades que o jogador possui.

Cumps

Cantinho do Morais disse...

RMSCP,

a confiança é algo que não existe nesta equipa. Ela começou a ir embora em Guimarães mas partiu, definitivamente, após a Luz. E quando digo equipa, não estou mencionar, somente, os jogadores. Toda a equipa...
Ainda assim, ver o Adrien (principalmente na 2ª parte) é penoso. Ele não corre, coxeia. Se é para jogar (pois, mesmo mal, faz falta), então o meio-campo tem de ser mais protegido, daí o reforço do mesmo.
Podence surpreendeu-me muito nestes 2 jogos da Taça da Liga. Além da velocidade (a correr), há a velocidade de drible, bom controlo de bola e tempo certo para pausar e iniciar uma "galopada". Em muitos aspectos, muito mais maduro que Gelson. E fisicamente, está bem (Geraldes tem mais dificuldades nesse particular).

SL

João Paulo Rosinha disse...

http://sporting1967.blogspot.pt/